Imagens, Comentários e Estórias de Valdanta (Chaves) e das suas gentes. O meu endereço é "pereira.mos@sapo.pt"
Domingo, 30 de Dezembro de 2007
Uma Matança Transmontana

Valdanta

 

Esta imagem de uma matança tradicional "surripiada" do Blog da Lai Cruz -Lai...Lai...Lai..., apresento um pequeno extrato de um livro escrito e oferecido por um amigo, João Madureira, que relata com muita originalidade e verdade uma matança numa aldeia qualquer na região fria de Trás-os-Montes. Revivam este acto solene e importante da vida do campo e recebam um conselho amigo leiam este livro da Editora Livreiro chamado "Crónica Triste de Névoa", publicado quando da comemoração dos 75 anos da elevação de Chaves a cidade.

… …
Nestas povoações, Dezembro é o mês do porco.
Este animal, sendo o mais sujo de toda a criação é, no entanto, aquele que mais recebe o trato feminino da casa, o que revela mais inteligência e o que mais perto vive da gente. Regra geral, habita por debaixo da cozinha, sítio donde se lhe deita o alimento e até se houve ressonar. Presta-se-lhe uma atenção permanente, porque se a ceva morre há desgraça em casa.
Para escolher a data da sua morte tem que se tomar especial cuidado com os poderes malefélicos da Lua. O dia escolhido deve coincidir com a fase lunar do Quarto Crescente, porque se for no Minguante a carne minga e se for no dia da Lua Nova, rompem-se as tripas. Os dias de Lua Cheia ficam para os adivinhos.
Dezembro vai frio. Nevou nos últimos dois dias. Hoje os primeiros raios de sol incendiaram de luz o manto alvo da geada que se fez durante toda a santa noite.
Ainda o sol não era nascido e já a Teresa de Jesus estava de fogueira acesa. É dia de matança. Dia de alegria. Mas ela sente-se triste. Custa-lhe ver morrer aqueles dois porquinhos que tanto trabalho lhe deu a engordar. Ganhou-lhe afeição. Andou todo o ano a carregar a erva e as couves, a ir ao moinho, a cozer-lhes, durante o inverna, a paparoca, a pôr-lhes a comida a tempo e horas, derreada com o peso dos enormes caldeiros. Isto tudo para além das outras tarefas da casa: fazer o pão, a comida, carregar e pitar a lenha, aturar os filhos e o marido, ajudar a botar as vacas, as ovelhas, tratar das alinhas e dos coelhos, sachar a horta, tratar do jerico, carregar o esterco das cortes, ajudar o João a sachar e a lavrar o centeio. E mais todo o resto. Foi ela que levou a porca ao borrão e que assistiu ao parto de dez lindos leitões. Foi ela, ainda, que quando um adoeceu, passou noites sem dormir, rezando ao Santo António orações a fio e, num desses serões fez a promessa de ir ao São Caetano a pé oferecer missas e velas ao santo padroeiro da bicharada, prometendo-lhes, caso o bicho sarasse, a queixada, as unhas, o peito e a orelheira.
Os homens já ali vêm. Sentem-se pelo ressoar das grandes brochas dos socos batendo no ralo empedrado da rua. São cinco. O João, o compadre Manuel, o seu pai, o sogro e o João Rato, o matador, que chega experimentando o fio das facas na polpa do dedo polegar da mão esquerda. A lâmina da faca sangradora assusta. Sobem devagar as escadas e vão sentar-se no escano bem junto da lareira onde arde uma grande fogueira. Aí matam o bicho que lhe rói as tripas. Lenta e regaladamente, mastigam bocados de pão centeio, acompanhados de figos secos e nozes. Por cima enfiam uns cálices de aguardente e sopram nas mãos. Ficam animados e desentorpecidos.
As mulheres chegam um pouco mais tarde e abonam-se com o mesmo mata-bicho. Lá fora corre um ar que corta a carne e penetra nos ossos.
As crianças começam, só agora, a despertar do sono. È dia de matança, é dia de convívio entre pais, filhos, primos, compadres e amigos – qualquer que venha.
Toda esta agitação é sonhada e desejada por todos logo nos primeiros dias de Dezembro. Quando começa o tempo frio e a faca começa a dar nos porcos da aldeia.
Os homens emborcam o último cálice de aguardente, dão uma passadela de mãos pelo lume e descem até ao curral. Já tudo está a postos desde véspera: o banco, os molhos de palha centeia, o alguidar de barro preto com sal e um pouco de vinagre para não coalhar.
As duas cevas estão em silêncio. Estranham a falta de comida desde a noite anterior. Foi a primeira vez que isso lhes aconteceu. E será a última. Teresa não lhes serviu a derradeira ceia para as tripas estarem vazias e assim poder ser mais fácil lavá-las.
O Manuel vai até à porta da corte e abre-a. Os bichos não se mexem. Ainda estão enterrados na palha. É a segunda surpresa. Estranham esta invasão, pois só estão habituados à presença de mulheres. O compadre enxota o primeiro cá para fora com a ajuda de um pau. Os outros três, à saída, agarram-no pelas orelhas e pelas patas. Manuel fecha a porta atrás de si e vai ajudar. A vítima mal se consegue mexer no meio daqueles homens tenazes que o agarram. Grunhe altíssimo. Ouve-se em toda a aldeia. Teresa desce as escadas apressadamente com as mãos a tapar os ouvidos e foge para longe a chorar. Não consegue assistir à morte dos seus requinhos.
O João Rato aponta a faca ao sangradouro, bem na direcção do coração, e laça um golpe enérgico. O sangue sai às golfadas. Jorra em borbotões escarlates e de espuma fumegante para o alguidar, para o braço do matador e algum para a cara de Ana Rosa que mexe o líquido com um pau para não o deixar tralhar. Os grunhidos espaçam-se até se extinguirem. O matador, terminada a sangria, mete uma folha de couve com sal no sítio onde espetou a faca para tapar o buraco. É a talhada do banco que se oferece à rapaziada.
A companheira tem a mesma sorte, não sem antes atirar com dois homens ao chão. Mas o esforço pela sobrevivência é inglório, à segunda pega foi ao banco e aí morreu.
Deitados, cada bicho em seu lado, aguardam no curral a vez de serem chamuscados.
Ó mulher, chega-me cá esses fachucos de palha – ordena o João -, anda lá que se faz tarde e os bichos arrefecem com o frio.
Agora tiram-se-lhe as unhas em quente e a pelagem arde que nem pólvora. Já se despejam os potes de água a ferver para a lavagem. Enquanto uns chamuscam, outros, com grandes facas, pedras ásperas, sachos, fouces ou outros utensílios cortantes, raspam a pele e cortam aqueles pelos que ficaram mal queimados, isto até os animais se encontrarem barbeados. Lavam-lhe as orelhas, a boca, metem-lhe um tapulho no ânus e viram as vítimas do outro lado para cumprirem tarefa igual.
A manhã vai correndo. O sangue cozido e fumegante é colocado no prato e servido à gente mesmo em cima da barriga dos sacrificados. Sabe pela vida assim quente e temperado com sal, azeite e alho, acompanhado pelo pão da véspera e pela pinga do vinho.
É neste momento que chegam dois dos filhos dos compadres carregados com pesadas pedras dentro de sacos que lhes mandaram ir pedir bem longe para afiar as facas. Inocentes, lá foram e vieram. Quando entregam os pesados rebenta uma forte gargalhada geral e só então se apercebem que lhes pregaram uma partida. O rapaz do Manuel, orgulhoso como é, desata a fugir e a insultar os adultos indo aninhar-se à lareira onde começa a chorar de raiva. Para o ano será ele a enganar os outros.
Agora limpos, os porcos vão ser abertos. Estendidos nos bancos, de barriga para o ar, tira-se-lhes a couracha da barriga, o soventre, o unto, os boches, os rins, e, por fim, as tripas. Perto do banco estão os alguidares que recebem as miudezas.
As tripas, donde se farão os enchidos, são depositadas num cesto, protegidas por uma toalha branca. À tarde, enquanto os homens à roda da fogueira jogam as cartas, acompanhados pela caneca de barro cheia de vinho esquentado ao lume, as mulheres irão lavá-las ao rio e apartar as grossas das delgadas, pois destinam-se a fumeiro distinto. O unto que se guardou no barro, depois de estendido na toalha, é salgado com sal miúdo, amanhado em forma de broa e pendurado ao pé da lareira para aí defumar e secar. Rijado numa colher, será o tempero da água quente onde se miga o pão com que se afaga e aquece o estômago antes de se ir para o monte nas manhãs frias de Inverno. Depois faz-se uma lavagem interna e lá vão os dois sacrificados para a adega ou a despensa, transformando-se no governo e na ventura desta família durante o ano. Pendurados na trave, de cabeça para baixo, ficam a enrijar e a esfriar durante dois dias, aguardando o momento da desmancha.
O dia acaba em jantarada. Come-se carne do monte, galinha guisada e batatas cozidas, a que se lhe junta carne velha de porco: pernil, presunto velho, orelheira e rodelas de salpicão. A Teresa mostra aos familiares e amigos que não é mulher desgovernada.
Já descida é a noite fria – pois neste tempo anda sempre cheia de pressa – e os homens tomam o caminho de casa. Vão eufóricos e quentes, cheios no estômago e na alma. O João acompanha-os até ao cimo do povo e ali se despede. O Manuel vira à direita e o compadre segue-o durante uns instantes.
… …
 Do livro "Crónica triste de Névoa" de João Madureira
 


publicado por J. Pereira às 14:04
link do post | comentar | favorito

1 comentário:
De Tupamaro a 30 de Dezembro de 2007 às 16:32
O autor deste Blogue tem sempre maneira de nos dar boleia para os melhores cantinhos da nossa LAReira.

Andou por longe, está distante, mas todos sentimos que vive pertinho de nós.

É o que se diz «Um Bom Vizinho»!

Por isso, em todas as lareiras do mundo tem Amigos.

Alguns acenam-lhe desta janelita; outros (e sabemos serem uma maioria «do melhorio do piorio e do piorio do melhorio do melhor que há), saúdam-no com caixulas CeTeTeirasNetes.

Nós, Esses Uns, e Esses Outros Q U E R E M O S que o Autor deste Blogue acabe este Ano com Alegria por nos (amigos, comentadores, mirolheiros) ter conseguido aturar,
e
que comece o próximo «RÁPIDO E DEPRESSA» com Toda a Saúde e inspiração para nos regalar com o seu Blogue, a sua companhia e a sua Amizade!

“A multidão, por si só, não chega a lado algum se não tiver um C H E F E que a guie”!!!

B O M - A N O - N O V O, “CHEFE”!!!!!!



Tupamaro


Comentar post

J. Pereira
Março 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


O Tempo em Valdanta
blog-logo
Flavienses TT
Visitas
posts recentes

Uma Matança em Valdanta

Mais reis

Os Reis de 2013 cantados ...

S. Domingos

Cantos da minha paixão

O Folar de Chaves

Neblina até Curalha

Grupo AMIZADE

CALDO DO POTE (para o Nov...

Boas Festas

O Cando com Encanto

Valdanta está em festa

Festa de S. Domingos - Pr...

Um amigo está doente

“Maldição de S. CAETANO(?...

Xinder

Princípio do Fim

Brincadeiras

UMA PÁSCOA EM TEMPO DE CR...

Missa de 7.º Dia

Recantos da minha Terra

Geração à Rasca

Valdantenses por outras p...

A Primavera vem aí

S. Domingos 2011

Amendoeiras em Flor

Reflexos

Tive Sorte

Recantos

Beleza de Valdanta e do M...

Esclarecimento

O recreio da minha escola

Um bom serão

Torneio de FUTSAL

Os Reis

Hoje é dia de Reis

Feliz 2011

Feliz Natal

Matança do Reco na ABOBEL...

O Blero

G. D. de Chaves (anos 50)

4.º Aniversário do Blog

S. Domingos - Resumo da s...

Ovelheiro

Igreja da Abobeleira

Nadir Afonso - Doutor Hon...

Encontro dos Bloguistas d...

Recanto de Valdanta

A D. Maria Isabel faleceu

É preciso ir aos treinos

arquivo

Março 2013

Janeiro 2013

Agosto 2012

Maio 2012

Março 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006