Imagens, Comentários e Estórias de Valdanta (Chaves) e das suas gentes. O meu endereço é "pereira.mos@sapo.pt"
Terça-feira, 18 de Setembro de 2007
O Rouxinol da Pipa

 

 

Rodeada de bosques e aconchegadinha em quintais, era uma vez uma Aldeia pequenina, com poucas casas e muitos baldios, cortinhas, quintas, «abertas», vinhas, soutos, bosques e “ribeira”.
A ela se encostava a cidade pelas Casas-dos-Montes e vivia abraçada a Aldeia do Cando.
A linha do comboio bordejava-a em grande extensão e os sonidos da locomotiva assemelhavam-se a suspirados gemidos de tristeza por não poder chegar ao seu seio.
O Sol Nascente apressava-se a beijá-la e a convidar os aldeãos, a canalhada, o gado e a bicharada para uma celebração da vida.
O “CAMPO” era o estádio olímpico da criançada. Se contada pelos dedos das duas mãos, sobrariam ainda algumas falanges e falangetas.
Aí se batiam os recordes mundiais (do nosso mundo) da macaca, das escondidinhas, do salto em comprimento, do rebolar, das corridas de quadrigas de Grilos e saltões, e se dava a partida e a chegada da nossa Volta a Portugal em Bicicleta (só com guiador feito de arame, sem quadro, sem selim, sem rodas, sem travões).
Na eira encostada ao caminho de S. Fra(g)ústo,  faziam-se umas finais do nosso campeonato mundial de futebol. A bola era especial   - feita duns piúcos e de uns carpins enrolados nuns soquetes, tudo cientificamente obtido através de ladinas pesquisas nos laboratórios de costura da prima Jesus ou da ti’Alcina do João Carteiro.
No caminho para o Matadouro, logo a seguir à fronteira do Campo, havia uma «barreira». Era o aldeamento turístico da passarada. Apesar do nosso metro e trinta de altura, o melhor que conseguíamos para ver as chegadas relâmpago e as partidas foguete desses turistas chilreantes era esticarmos o pescoço, arregalar os olhos e gritarmos uns para os outros:- “Olha aquele ali! Leva um saltão!; Outro! Traz uma minhoca!; Ó Júlio, olha, ali é um ninho de Carriça!, Mário, Mário, estão dois passarinhos a espreitar naquele buraco!; Luís, aquele é um cascarrolho!”
E naquele negrilho tão alto como o Castelo de Monforte, parecia, aquele melro trisavô desafiava-nos com os seus assobios de barítono divertido.
Nos palheiros do alto do Campo as Poupas faziam a sua criação. E, atrevidas, aperliquitavam-se nas cancelas ou nas beiras dos telhados a provocarem-nos para lhes descobrirmos os ninhos.
Nos caminhos para o Vale Coelho ou para a Aberta da Ti’Aurora, os silvedos e as heras ajardinavam os muros em pedra. Eram os locais preferidos para os pintassilgos andarem na brincadeira. O Tó e o Tio Quim semeavam por aí umas «esparrelas» e nelas caía passarada à farta.
Gaios, papa-figos, pinta-roxos, verdelhões, tentilhões, chincharravelhos, folecas, alvéolas, andorinhas, piscos e chascos, pardais e rouxinóis tinham, nesses quintais, «cama, mesa e roupa lavada».
Entre o estreito Largo da Capela e o menos estreito Largo do Carvalho havia uma fonte de água fresquinha e saborosa. Estava dois degraus abaixo do caminho.
Enquanto a Tia Augusta preparava a ceia e o Tio Quim metia os bois na corte e pendurava o Jugo e as mulhelhas, o Oswalde(o) da Abobeleira acompanhava a Glória à Pipa onde colhia, durante 15 minutos, um cântaro que só levava um cântaro de água.
À mesma hora, o Tio António Guarda levava os burros para o Palheiro, ao cimo do Campo; a Tia Quinhas, aflita com as raposas, berrava com as galinhas que teimavam em não entrar no galinheiro; e a Elisa descia, tão vaidosa quão bonita, até à Pipa, acompanhada pelo Jurel, do outro lado donde pegava numa cântara de pouco mais de duas canadas, que demorava 16 minutos a ficar cheia.
Fosse Verão, fosse Inverno, as chaminés sempre fumegavam    -  em sinal do ferver dos potes e caldeiros, e em sinal do fervor de corações apaixonados.
Na Fonte da Pipa alguém escreveu, a cinzel, no lintel da mina: “Fonte dos Namorados”.
Aí chegados, o Oswalde(o), mal a Glória punha o pé no primeiro dos dois degraus na descida, avisava: - “Glória, tem cuidado! Vê lá se escorregas!”
E o Jurel, assustado, recomendava à Elisa, mal esta trepava para o primeiro dos dois degraus da subida; “ Elisa, tem cuidado! Vê lá se tropeças!”.
A tia Requeta, com aquela solenidade com que sempre vestiu os seus modos, abria o portão da Capela, puxava a corda e tocava a sineta ao ritmo de Trindades.
No negrilho ou nas carvalhas entufadas e debruçadas sobre a Fonte um Rouxinol residente, príncipe encantador e encantado daquela Aldeia, soltava trinados melodiosos que suavizavam as canseiras do dia, lembravam a hora do amor, faziam esquecer o pecado venial e …… até que, muitas vezes, se comessem as batatas rebidas!......
Nos luares de Agosto, muitos dos poucos aldeãos juntavam-se no “Carvalho” em amena convivência.
Um desses rapazitos, deitado numa fraga ainda quente à causa do sol estival, catrapiscava as estrelas e, para lhes cair em graça, cantava cantigas populares.
De manhã, ao levantar, fazia dueto com o melro do olmo gigante; à tardinha, com o rouxinol da Pipa.
 E o Povo, que gostava de o ouvir cantar, envaidecia-o e chamava-lhe:
 
“O   ROUXINOL   DA   GRANJINHA”!
 
             Pode não haver  lá mais olmos nem negrilhos.
Tampouco poder darem-se pincha-carneiras no CAMPO ou aí  ser-se olímpico.
Mas a GRANJINHA jamais deixará de ser berço e morada de ROUXINÓIS.
Brilhante é o diadema do NOSSO e do VOSSO  actual
 
-“ROUXINOL   DA   PIPA”-!
 
 
Luís da Granjinha
 


publicado por J. Pereira às 19:40
link do post | comentar | favorito

7 comentários:
De António José Petim da Cruz a 19 de Setembro de 2007 às 16:14
Que dizer deste "quadro"???
O que será mais belo, o lugar ou o texto !?!?!
Um lugar belo e simultaneamente melancólico, o mesmo que o "poeta" visitava e admirava em silêncio!

Que dizer da prosa e do seu autor, quando não há palavras para classificar a sua grandiosidade!
LER, MEDITAR, RELER e tornar a LER, é a solução.
A melhor homenagem que se poderá fazer a um escritor ou poeta, é ler os seus escritos, sim escritor, sim poeta, porque na "Pipa" da Granjinha, na sua "Tasmânia" o autor «bebe» a inspiração!
Não será este um conto, dos "CONTOS DA GRANJINHA"???...


Nota: Qualquer semelhança deste "quadro" com a realidade não é mera coincidência!!!
Este era o quotidiano da Aldeia da Granjinha de há talvez 45/50 anos, do qual o seu «NETO» mais querido descreve fielmente!!!

Um abraço para o LUÍS DA GRANJINHA


De ÁguasFrias a 19 de Setembro de 2007 às 21:09
Li, cheguei ao fim e tive de voltar a ler...
Que delícia de texto!
Descrição de uma prosa poética que não deixa ninguém indiferente.
Parabéns a Luís da Granjinha (?), o autor, e ao J. Pereira por ter partilhado tão belo texto.
Um abraço


De vale-de-anta a 20 de Setembro de 2007 às 22:35
Parabéns pelo bonito texto.


De cmpsantos a 20 de Setembro de 2007 às 23:18
Ler e Reler! não podia estar mais de acordo.
Pois ao ler o texto é como recuar 40/45 anos no tempo e lembrar quando no mês de Agosto passava-mos a correr por aquela serra abaixo direitos ao rio para nos refrecar-mos, enquanto os nossos "Cotas" durmiam a sesta, mas o mergulho não podia ser demorado pois quando acordassem tinhamos que estar para a lida da tarde. Voltavamos a correr mas contentes pelo mergulho dado, subiamos a encosta direitos à veiga da Granja e num salto estavamos no povo.
RECORDAR!!! è viver, já dizia o poeta!!!


De Dinis Ponteira a 20 de Setembro de 2007 às 23:22
Um magnifico texto parauma magnifica Foto.
parabéns e um abraço


De Rouxinol da Pipa a 20 de Setembro de 2007 às 23:59
Pipilar, Pipilar, Pipilar...
O que poderá o Rouxinol da Granjinha fazer?

Pode tão só prometer que não "abandonará" a Granjinha, apesar de o tentatarem expulsar do "ninho" e lhe andarem preparar a "esparela"...

Não terá os negrilhos nem os olmos, nem a liberdade no "Campo".
Mas terá heras, lilázes, figueiras, loureiros, pereiras, laranjeiras e nespreiras no "Canto(Calço) do Quintal", onde poderá erguer "barricada", fazer novo ninho e procriar para que os seus descendentes continuem a "soltar os trinados melodiosos" estes que apaixonam por quem lá passa e que também são fonte de inspiração para o seu «NETO PREDILECTO» na sua caminhada através dos "CONTOS DA GRANJINHA" para que esta se torne imperecível.
São disso já exemplo os seguintes:
"LENDA DO TIO XICO";
"UM CAROLINHO DE FOLAR";
"UM CÃO BETERNÁRIO";
"A CORNETA DE SÃO CAETANO";
"AVISO AVESSO" e o "ROUXINOL DA PIPA".

Espero que o LUÍS DA GRANJINHA, continue a "caminhada" para que o nosso torrão não «morra»!!!!
Mas só quem nasceu, cresceu ou se apaixonou pela Granjinha entenderá!!!

E se esta noite sonhar com o Rouxinol a pipilar, và até à janela, será concerteza o Rouxinol da Granjinha para lhe agradecer!!!

Obrigado.


De J. Pereira a 21 de Setembro de 2007 às 11:21
Ainda bem que estamos todos de acordo com a qualidade e imaginação do texto. Quando as coisas saiem de dentro é isto que acontece. Quanta nostalgia, amor e dedicação à nossa Granjinha. Ela merece e todos os Valdatenses (freguesia) também merecem e esperam muito mais do senhor Luís (Tupamaro, Romeiro de Alcácer, Kandi ...) e este espaço está sempre à sua disposição e de todos quanto quiserem colaborar sem qualquer cerimónia.
E, já agora, preciso de fotografias, principalmente da Granjinha. Colaborem!...


Comentar post

J. Pereira
Março 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


O Tempo em Valdanta
blog-logo
Flavienses TT
Visitas
posts recentes

Uma Matança em Valdanta

Mais reis

Os Reis de 2013 cantados ...

S. Domingos

Cantos da minha paixão

O Folar de Chaves

Neblina até Curalha

Grupo AMIZADE

CALDO DO POTE (para o Nov...

Boas Festas

O Cando com Encanto

Valdanta está em festa

Festa de S. Domingos - Pr...

Um amigo está doente

“Maldição de S. CAETANO(?...

Xinder

Princípio do Fim

Brincadeiras

UMA PÁSCOA EM TEMPO DE CR...

Missa de 7.º Dia

Recantos da minha Terra

Geração à Rasca

Valdantenses por outras p...

A Primavera vem aí

S. Domingos 2011

Amendoeiras em Flor

Reflexos

Tive Sorte

Recantos

Beleza de Valdanta e do M...

Esclarecimento

O recreio da minha escola

Um bom serão

Torneio de FUTSAL

Os Reis

Hoje é dia de Reis

Feliz 2011

Feliz Natal

Matança do Reco na ABOBEL...

O Blero

G. D. de Chaves (anos 50)

4.º Aniversário do Blog

S. Domingos - Resumo da s...

Ovelheiro

Igreja da Abobeleira

Nadir Afonso - Doutor Hon...

Encontro dos Bloguistas d...

Recanto de Valdanta

A D. Maria Isabel faleceu

É preciso ir aos treinos

arquivo

Março 2013

Janeiro 2013

Agosto 2012

Maio 2012

Março 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006