Imagens, Comentários e Estórias de Valdanta (Chaves) e das suas gentes. O meu endereço é "pereira.mos@sapo.pt"
Quarta-feira, 29 de Abril de 2009
Já há cerejas...

 

Havia um ditado popular que dizia: 

- Do cerejo ao castanho, bem me amanho, mas do castanho ao cerejo mal me vejo.

Queria isto dizer que desde que começavam as cerejas até às castanhas havia sempre que comer, mas quando acabassem as castanhas e até que houvesse novamente cerejas passava-se fome.

 

 

 

Quero eu com isto dizer que a fome está a acabar pois já há cerejas, pelo menos no quintal do meu vizinho..

 

 

 

 



publicado por J. Pereira às 21:03
link do post | comentar | ver comentários (5) | favorito

Terça-feira, 28 de Abril de 2009
Parabéns à Vanda

 

 

Há dias referi aqui o aniversário da Vanda e do Hugo e também a sua profissão (igual para ambos).

A Vanda terminou o curso de Medicina na especialidade de Oftalmologia no passado mês de Janeiro com uma excelente nota final que lhe valeu o convite para trabalhar num hostipal em Londres, onde só os melhores têm lugar, e ela conseguiu esse feito.

Estamos muito orgulhosos de ti e desejamos-te muitas felicidades e sucessos em terras de Sua Magestade.

Sei que os sucessos não faltarão pela demonstração que tem dado em tudo quanto se empenha fazer.

A Vanda parte para a nova missão em Londres, na próxima quinta-feira (30 de Abril).

Parabéns e felicidades.

 


sinto-me: Orgulhoso

publicado por J. Pereira às 10:49
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito

Sábado, 25 de Abril de 2009
Relíquias

 

Há coisas simples que são obras de arte e relíquias que o tempo não pode deitar ao esquecimento.



publicado por J. Pereira às 23:34
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito

Quinta-feira, 23 de Abril de 2009
Uma Família de Valdanta

 

Ano de 1959. Esta é mais uma família valdantense, numerosa, como se usava na época, mas infelizmente já não estão todos, e nunca estiveram para uma verdadeira fotografia de família, pois o mais velho dos filhos já andava a aprender kimbundo lá longe, onde o sol castiga mais. O mais novo também está escondido por trás do avental azul às bolinhas brancas, ainda lhe faltavam 3 meses para dar o pontapé de saída.

 



publicado por J. Pereira às 23:39
link do post | comentar | favorito

Segunda-feira, 20 de Abril de 2009
Um Valdantense com sucesso

 

Há dias, quando viajava pela Net encontrei este texto que se referia a uma pessoa natural de Valdanta e como não sou grande coisa em línguas estrangeiras publico aqui o texto tal como o encontrei. 

 

Entendi que se trata de um filho do Joaquim "Charrua" e da Rosalina, que por coincidência são os dois Pereira e que foi o futebol a partida para a integração  num novo país. Foi um vencedor no futebol "Soccer League".

Diz que não sabia inglês quando com 12 anos foi para a América e que em Valdanta não havia electricidade nem água.

Diz também que era trabalhador e bom a matemática. Retitou-se do futebol em 1982 mas continua a ser idolatrado pela cidade e pela comunidade futebolística de Weesteen Massachusetts.

 

Eu apenas o conheci em criança, por isso não me lembro da fisionomia dele, mas suponho que é este amigo que aqui apresento  e que para nós é Fernando e não Fred. Talvez seja o diminuitivo.

 

Estes são os seus pais Joaquim Pereira e Rosalina Pereira.

 

 

 

Este é o seu irmão Mário.

 

Também encontrei na Wikipédia esta página referente a ele e deixo AQUI o seu link.

 

Peço desculpa à Lai por lhe "surripiar" as fotografias.

 

 

For Ludlow's Fred Pereira, soccer provided solid footing in a new country
by The Republican Sports Desk
Saturday October 04, 2008, 5:11 PM

By BILL WELLS

LUDLOW - If Fred Pereira had his way when he was 12-years-old, he never would have moved from Portugal to Ludlow.

Imagine. Ludlow with no Fred Pereira.
Pereira's parents, who were farmers in Portugal, saw America as the Land of Opportunity. They packed there belongings, left their village, boarded a ship, sailed the Atlantic Ocean, and settled in Ludlow in 1966.

Although Pereira didn't speak English, he fit in. He was good with numbers, and he was good on the soccer field. Pereira was also a worker.

In one of the biggest futbol hotbeds in the country, Pereira eventually became Ludlow's brightest star in the soccer sky. He enjoyed illustrious high school, college and professional careers before retiring in 1982, and has remained an idolized figure in town and within the soccer community in Western Massachusetts.

But the region, including Ludlow, nearly never met Fred Pereira.

Pereira was born in Portugal in 1954. His village, Valdanta, didn't have electricity. Like America so many years ago, they produced what they needed.

"Compared to here, we had nothing," Pereira said. "But we were self-sufficient and everything was good. You don't miss those things if you don't have them. It was a small village with no electricity. If we wanted water, we had to walk to the town with a bucket."

Pereira liked Portugal. He had friends, and he enjoyed the lifestyle. He also liked playing soccer, the country's main sport.

"I always played the sport in Portugal. That's what you do," he said. "But there was nothing organized. You just go out and pick teams. Sometimes you'd play one town against another town."

Pereira's family had relatives who had moved to America: specifically, Ludlow. With political instability in Portugal and a better lifestyle within their grasp, Joaquim and Roselina Pereira decided to move the family to Ludlow.

"Our parents wanted to make things better for us," Pereira said. "But as a 12-year-old, all you know is you're leaving, and it's sad."

Pereira was "reluctant" to leave his homeland. He didn't know a word of English.

But Pereira did know how to play soccer, which already had a storied tradition in his new hometown of Ludlow. The sport bridged the gap for Pereira, allowing him to easily make friends.

"I was fortunate I was in a place where soccer was very popular," he said. "It made the transition a little easier."

He struggled at first with the English language. Conversely, he excelled at math.

"Numbers-wise I could do as well as anyone else, or better," he said. "But the language .... "

After a year, with the help of his teachers at East Street School, the determined Pereira could speak English well enough to get through school. He was equally determined on the soccer field. He was the top scorer on all of his Ludlow Boys Club teams.

"Even on the soccer field, overconfident, for sure I wasn't," Pereira said. "I felt OK. But I felt I had to work hard to succeed, which was good."

Pereira made the varsity soccer team as a sophomore. He started at center forward, netting eight goals his first season. He tallied 26 goals as a junior.

His senior season, in 1971, behind his speed and ability to finish, Pereira did something no other player had ever done, nor has since done, in the history of high school soccer in Western Massachusetts: he scored 50 goals.

Also his senior season, unlike the previous two, Ludlow won the Western Massachusetts Division I title, topping Chicopee 1-0 in 1971.

"Winning Western Mass. is always big," Pereira said. "All those individual things ... scoring 50 goals was nice, but the fact that we won Western Mass. made me appreciate it more."

During his senior year, Pereira's guidance councilor started to prepare him for college. But Pereira was behind. He hadn't taken many college prep classes. Upon graduating from Ludlow in 1972, instead of attending Westfield State College, like so many other Ludlow soccer players at the time, he enrolled at Suffield Academy for one year.

That decision to attend Suffield, along with his soccer skills, put Pereira on the path to greatness, athletically and beyond. After leading Suffield in scoring for his one season, he was recruited to play at Brown University in Providence, R.I., an Ivy League college with one of the top soccer programs in the country.

"Suffield helped me a lot," he said. "I never would have gotten into Brown if I didn't go to Suffield. I took geometry, algebra II, and other prep courses. I was still a little behind everyone else who had taken four years of prep courses, but it helped me tremendously academically."

At Brown, Pereira starred immediately, scoring four goals in his first game as a sophomore (freshmen weren't allowed to play varsity sports). He finished his college career as the school's all-time leading scorer and was taken No. 2 overall in the 1977 North America Soccer League draft.

For the next five seasons, Pereira played for the U.S. National team, as well as the NASL and the Major Indoor Soccer League. With some nagging injuries and his wife, Irene, expecting their first of three children, Pereira stepped away from professional soccer in 1982.

Once back home in Ludlow, he turned to refereeing, and with the help of some courses he had taken in the soccer off-season, and he landed a job at H&R Block. Two years later, in 1984, with that strong math background and legendary soccer status, he won an election to be the town's Tax Collector. In the seven elections that have followed, he's won every time - unopposed.

"I really enjoy it, 90 percent of the time," said Pereira, 54. "Like any other job, sometimes you have to deal with difficult people. But that comes with anything, like refereeing or coaching. Most people are very good. Most people know they have to pay their taxes. Sometimes people are going through hard times and you have to work with them. But overall, I enjoy the job. I like working with the people and the numbers.

"Almost none of (my success) would have come if I didn't play soccer. The sport has been great to me. I was always a pretty good student, but the soccer is what made everything work. It made me feel comfortable."
  

 



publicado por J. Pereira às 10:20
link do post | comentar | favorito

Sexta-feira, 17 de Abril de 2009
Valdanta é notícia

Valdanta é notícia pela negativa.

Em A Voz de Chaves lemos a seguinte notícia, que lametamos e concluimos que nem os muros altos foram suficientes para evitar o pior. Se não servem para guardar, para que os querem?

 

 

 

Valdanta – Chaves
Detidos em flagrante durante assalto a residência em plena luz do dia

Dois indivíduos na casa dos 30 anos foram detidos enquanto assaltavam uma residência em Valdanta. Um deles a cumprir pena suspensa, o outro detido já na semana passada por assalto.

O alerta foi dado cerca das 17 horas desta segunda-feira, através de uma chamada para a PSP, feita por uma vizinha da casa que na altura achou estar a ser rondada por pessoas suspeitas.


Quando a patrulha da PSP de Chaves chegou ao local apanhou em flagrante dois indivíduos, que terão saltado o muro da residência e entrado através de uma janela lateral, cujo vidro partiram, e nem os três cães que guardavam a casa conseguiram evitar a invasão de propriedade. Ao que conseguimos apurar, um dos envolvidos no assalto terá família no bairro onde teve lugar este assalto.


Em sua posse já teriam artigos em ouro, no valor de 600 euros. Prontos para levar estariam, ainda, dois televisores plasmas, de pequena dimensão. No entanto, nenhuma viatura foi apreendida, uma vez que os dois detidos não teriam, à partida, um automóvel de suporte para o assalto. Tentaram a fuga, mas foram imobilizados pelas autoridades, ainda, no interior da residência. Foram também apreendidos um canivete e uma chave de fendas.


Os dois detidos, de 33 e 34 anos, são naturais de Chaves e já são conhecidos das autoridades. Um deles estaria a cumprir pena suspensa e o outro terá sido, já na semana passada, detido por tentativa de assalto a um estabelecimento comercial, na zona do Arrabalde, junto à Ponte Romana, em Chaves. Nessa altura, além da tentativa de assalto, os dois indivíduos faziam-se transportar num carro furtado e o condutor não tinha habilitação legal para tal.


Antes da detenção, os indivíduos, que seguiam a alta velocidade, terão tentado abalroar um agente da PSP, que estaria “à civil”, e embateram na viatura policial, que entretanto iniciara a perseguição, apesar da que seguiam já estar bastante danificada.


Tal como na semana passada, os dois detidos foram presentes a tribunal e julgados em processo sumário, aguardando, agora a sentença, em liberdade.


Á conversa com A Voz de Chaves, a Comissária Ana Maria Rodrigues, apesar dos assaltos registados garante que “não há motivos para alarme. As forças policiais estão a fazer o seu trabalho, como tem vindo a ser publicado. Muitos dos presumíveis autores dos furtos são reincidentes. Chaves continua a ser uma cidade segura”.

 

Por: Cátia Mata



publicado por J. Pereira às 22:00
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito

Quarta-feira, 15 de Abril de 2009
O "Papa-Léguas" em turismo

 

O nosso amigo Maratonista (Papa-Léguas) esteve de férias nas "Seicheles" do Alto Douro Vinhateiro.

Depois de participar na corrida da Eurocidade de Outeiro Seco, onde se classificou num honroso 18º lugar para veteranos com 1 hora e 12 minutos, resolveu descansar na famosa estância agroturística de Seicheles, vulgo Seicholas. Neste meredíssimo repouso foi acompanhado pelo Bloguista que fez as honras da casa e o brindou com um Fraga do Facho de se lhe tirar o chapéu.

 

 

Passeou pelos "Corvinhos" de Mós e acompanhou-nos num passeio em todo-o-terreno semiautomático.

 

 

Obrigado pela visita e volta sempre.

 

 



publicado por J. Pereira às 14:57
link do post | comentar | ver comentários (8) | favorito

Domingo, 12 de Abril de 2009
Feliz Aiversário e Feliz Páscoa

Estes são os manos, médicos da família, que, por coincidência ou pontaria, fazem hoje anos, por isso aproveito para lhe enviar os parabéns e desejar muitas felicidades e muitos êxitos nas suas carreiras de Oftalmologistas.

 

 

 

Também quero desejar a todos quantos nos vistam uma Páscoa Feliz.

 



publicado por J. Pereira às 00:00
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito

Quinta-feira, 9 de Abril de 2009
9 de Abril de 1918

Comeroram-se hoje 91 anos da batalha de La Lys, na Flandres  Francesa, onde muitos portugueses perderam a vida naquela que foi a mais horrenda batalha da primeira Grande Guerra Mundial.

Recordo três homens de Valdanta que fizeram parte do CPE (Corpo Expedicionário Português) nesta guerra e quero-lhe prestar a minha homenagem. Foram o António Pereira (Malanga), José António Barreira e Francisco Coelho (Palmela).

Na minha infância convivi muito com o ti Malanga e com o Ti Zé António, mas este não contava muitas histórias da guerra, suponho até que mais queria esquecer do que lembrar, mas o ti Malanga (meu avô) era um verdadeiro contador de histórias. Eu, na minha inocência, não o levava a sério e a não ser um caso ou outro de que me lembre não ligava muito ao que dizia.

Quem levou tudo a sério foram os netos do nosso herói que hoje quero apresentar.

António Pereira dos Santos, natural de Amoinha Velha, concelho de Valpaços, passou para o papel aquilo que consegui e conta-nos com sentimento e paixão o que +por lá passou e sofreu.

Os netos conseguiram passar para livro o relato dele tal como o fez e acrestaram com sentido de oportunidade os dados históricos.

Apresento aqui a capa do livro e parte dos versos referentes ao dia 9 de Abril. É um livro que se lê de um só fôlego pois foi feito com muito trabalho, incluindo os dados históricos passados na época.

Aconselho vivamente a ler esta verdadeira obra de literatura e arte. Encontra-se à venda na FNAC.

 

 

 

 

Grande Guerra

 

O dia em que eu fui prisioneiro

 

A 9 de Abril em 1918

 

Este dia 9 de Abril;

Para mim sempre lembrado.

À meia noite fui chamado;

Dedonde estava a descançar.

Que ainda no dia entes à noite;

Das trincheiras tinha chegado.

Que já avia 6 dias;

Que eu não tinha dormido,

Nem descansado.

 

Era meia noite em ponto,

Pusme apé rapidamente.

E segui para as trincheiras,

A toda a pressa ás carreiras

Debaixo de fogo vivo.

Já me contava perdido;

A correr e a saltar.

As granadas eram tantas;

Que se encontravam no ar.

Parecia o fim do mundo o fogo arrebentar.

 

Até nem quero que me lembre;

O que ali se passava.

Numa noite tão escura;

Sem saber aonde estava.

 

Que terror se me metia;

Dentro do meu coração.

Quando via meus camaradas;

Caírem mortos no chão.

 

Os feridos tanto gritavam;

Com dores a padecer.

E não avia ninguém;

Que lhes pudése valer.

 

Nestes pontos me encontrei;

Toda aquela madrugada.

E já era alto dia;

E o combate não paráva.

 

As trincheiras já estavam razas;

De tanto fogo cair.

E nós todos aflitos;

Por não podermos rezestir.

 

Já não tínhamos munições,

… …



publicado por J. Pereira às 14:07
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito

Segunda-feira, 6 de Abril de 2009
Uma Família à moda antiga

Uma família à moda antiga. A do ti Alfaite, pois claro, mas só com os últimos filhos a ficar em casa, faltando aqui os primeiros 4 que por esta altura, uns já andavam por Angola e outra já estava casada e a morar em Valdanta.

 

 



publicado por J. Pereira às 13:00
link do post | comentar | favorito

J. Pereira
Março 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


O Tempo em Valdanta
blog-logo
Flavienses TT
Visitas
posts recentes

Uma Matança em Valdanta

Mais reis

Os Reis de 2013 cantados ...

S. Domingos

Cantos da minha paixão

O Folar de Chaves

Neblina até Curalha

Grupo AMIZADE

CALDO DO POTE (para o Nov...

Boas Festas

O Cando com Encanto

Valdanta está em festa

Festa de S. Domingos - Pr...

Um amigo está doente

“Maldição de S. CAETANO(?...

Xinder

Princípio do Fim

Brincadeiras

UMA PÁSCOA EM TEMPO DE CR...

Missa de 7.º Dia

Recantos da minha Terra

Geração à Rasca

Valdantenses por outras p...

A Primavera vem aí

S. Domingos 2011

Amendoeiras em Flor

Reflexos

Tive Sorte

Recantos

Beleza de Valdanta e do M...

Esclarecimento

O recreio da minha escola

Um bom serão

Torneio de FUTSAL

Os Reis

Hoje é dia de Reis

Feliz 2011

Feliz Natal

Matança do Reco na ABOBEL...

O Blero

G. D. de Chaves (anos 50)

4.º Aniversário do Blog

S. Domingos - Resumo da s...

Ovelheiro

Igreja da Abobeleira

Nadir Afonso - Doutor Hon...

Encontro dos Bloguistas d...

Recanto de Valdanta

A D. Maria Isabel faleceu

É preciso ir aos treinos

arquivo

Março 2013

Janeiro 2013

Agosto 2012

Maio 2012

Março 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006